Prefeitura promove encontro e inicia discussões sobre a criação de uma rede de Turismo Étnico-Afro no município


Visando estimular o desenvolvimento sustentável das comunidades tradicionais e fomentar o turismo étnico no município, a Prefeitura promoveu, nesta quarta-feira (10), uma reunião entre profissionais da esfera pública municipal, representantes de terreiros, membros da Federação Nacional do Culto Afro-Brasileiro (FENACAB/Alagoinhas), integrantes da Associação da União de Terreiros Religiosos de Matriz Africana de Alagoinhas (AUTRMAA) e representantes da Rede Municipal de Turismo Étnico-Afro (EMUNDE).

A iniciativa partiu do diálogo entre a Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo (SECET) e o coordenador Edson Costa, do EMUNDE, que discorreu sobre a necessidade de potencializar ações e políticas públicas com foco na população negra, abrangendo as áreas da cadeia produtiva, social e cultural.

Foto: SECOM

“O objetivo deste encontro inicial foi passar um pouco da tecnologia que o EMUNDE ajudou a criar e um pouco dos marcos regulatórios do estado da Bahia. Queremos criar algumas redes em Alagoinhas, com um processo de desenvolvimento econômico, geração de renda através do turismo étnico-afro. Então o intuito é buscar, nessa relação com a comunidade, com o poder público e com a iniciativa privada, o crescimento a curto, médio e longo prazo. A cultura estabelece identidades e toda comunidade tem seus elementos culturais. É na parceria com a rede que trabalha com o fortalecimento das bases comunitárias, respaldada por políticas públicas, no que se refere ao empreendedorismo de mulheres e ao turismo étnico, que se consolida esse processo”, pontuou Edson Costa.

Segundo ele, a iniciativa abarca não apenas os povos de terreiro, mas as comunidades populares, periféricas e tradicionais, das quais fazem parte também as resistências remanescentes dos quilombos.

De acordo com a SECET, o movimento, em Alagoinhas, faz parte do conjunto de ações direcionadas que têm conquistado espaço na Bahia no que tange à formação de uma rede de turismo étnico-afro, e estimula o empreendedorismo nas comunidades negras tendo o turismo como matriz do progresso econômico e social.

Para Luiz César, presidente da Associação da União de Terreiros Religiosos de Matriz Africana de Alagoinhas (AUTRMAA), a integração promovida por uma rede no âmbito municipal vai além de discussões sobre identidade, autonomia, empoderamento, sustentabilidade, desenvolvimento, e parte da valorização da herança cultural para dar espaço a construções coletivas com contribuições efetivas para as comunidades quilombolas e tradicionais. “O EMUNDE está além de uma simples organização; isso que se propõe é uma experiência no registro das práticas culturais coletivas”, pontuou.

Foto: SECOM

A secretária responsável pela pasta de cultura e vice-prefeita do município, Iraci Gama, enfatizou o interesse da Administração Pública Municipal em fortalecer a abarcar as propostas diretamente relacionadas às questões identitárias e de promoção do desenvolvimento com vista à equidade de direitos.

Foto: SECOM

Também participaram da reunião o subsecretário de desenvolvimento econômico e meio ambiente, Rannyery Miranda, e o diretor de turismo do município, Erivaldo da Silva.

Um novo encontro, aberto às comunidades, para a ampliação do debate no âmbito municipal, será realizado ainda no 1° semestre deste ano, no auditório da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente (SEDEA). A data será divulgada pela SECET.

Foto: SECOM